En vers et en prose


Tudo que peço é uma chance, uma pitada de liberdade misturada com a leveza de poder ser, para escrever um pouco das faces que existem em mim.
Sinto-me tão só, ás vezes pequena, outras grande, capaz de tranbordar na xícara de café sobre a mesa. Só peço que me use, que me faça instrumento das palavras, que me cite, me decore, me conserte, me namore. Só. Quero apenas chorar as dores do mundo e sorrir um riso bom. Sussurar palavras mudas, e dedicar-me sobre a máquina antiga e empoeirada.Não quero ser a realidade nua, crua e destilada, muito menos uma mentira, uma farça. Faça de mim apenas uma companhia para as noites de solidão, para as noites de amor, faça de mim algo que valha a pena, escute a música que flui de mim....
Abra-me, degusta-me, sinta-me en vers et en prose.
Encontre-se.

4 comentários:

Nota: disse...

cda vez mais criativa mô..
:)

Luciana Brito disse...

Um pedido profundo e complexo... desejo de muitos, creio eu.

Beijo! ^^

Davi disse...

Interessante...
um recado a quem quer e pode ouvir!

parabéms pelo seu blog!

http://essenciae.blogspot.com/

Lys Alexandrina disse...

gostei tanto daqui, que vou querer voltar sempre.

de muito bom gsoto seus escritos, dona moça.

beijoca.